Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘GaydarRadio’

Os mais famosos do mundo clássico crossover, o grupo Il Divo – quatro homens bonitos que passam pelos nomes de Urs Buhler, Carlos Marin, Sebastien Izambard e David Miller – estão de volta com seu novo álbum Wicked Game.

Aqui, falamos com Urs do Il Divo sobre a sobrevivência na indústria da música, a evolução do som da música e como eles têm muito a oferecer aos gays!

 A música é uma indústria resistente – o que você acha que precisa para ser bem sucedido nela?

Eu gostaria de pensar que antes de tudo você tem que ser um músico competente e você tem que ser talentoso, criativo, expressivo e carismático. Infelizmente hoje em dia, pelo menos, parte do negócio da música parece estar se transformando em um show de horrores onde aquele com a história triste vende a maioria dos discos. Eu tenho fé no consumidor – acho que sempre haverá uma necessidade de boa música e o talento irá prevalecer no final.

Se você é gay ou hetero, homem ou mulher, velho ou jovem, eu amo cantar para você.”

 Conte-nos um pouco sobre seu novo álbum Wicked Game – o que podemos esperar?

Este álbum tem muito mais profundidade do que o trabalho anterior, com muito mais cor, luz e sombra. Títulos como “Wicked Game” de Chris Isaac, “Crying” de Roy Orbison, “Come What May” da trilha de Moulin Rouge, “Dov’è L’amore” baseado em Adagio quarteto de cordas de Samuel Barber, bem como composições originais contribuem para uma mistura eclética. Ouvi-lo é uma experiencia que não deixa você vagar por um segundo.

Nós demos muito tempo para encontrar as melhores músicas, gravar os mais fortes, os vocais mais sinceros e trabalhar sobre os arranjos mais exuberantes e dramáticos. O resultado é que Wicked Game é sem dúvida o melhor álbum que já gravamos. Gostaria de ir ainda mais longe e dizer que, não importa qual das músicas música se ouve, este álbum é uma jóia, uma peça muito boa da música, que merece ser ouvida por todos – é simplesmente ótimo.

 Do que você mais se orgulha sobre este álbum?

Alcançamos o nosso objetivo de progredir e ajustar a barra superior em todas as gravações que fizemos. Eu posso ouvir todo o álbum novo e de novo e nunca ter um sentimento de passar pra frente. Pelo contrario, tenho arrepios por 45 minutos o que me deixa muito orgulhoso.

Eu acho que é como com a atenção feminina. Todas tem seu favorito pessoal e , como nós quatro somos muito diferentes uns dos outros em muitos aspectos, acho que temos muito a oferecer!”

Como foi para gravar?

Uma expêriencia muito diversificada. Gravamos mais de um ano em diversos diferentes estúdios em diferentes países e com diferentes equipes de produtores, apesar de Per Magnusson e David Krüger terem contribuido muito no álbum. Por isso, foi um processo bastante orgânico durante o qual tivemos a flexibilidade para fazer a coisa certa no momento certo, deixando ideias e interpretações crescerem e evoluirem.

Além disso, nós estávamos muito envolvidos em todo o processo de mixagem e produzindo as músicas, muito mais do que em discos anteriores, o que novamente estreitou nossos corações.”

Como vocês sentem o crescimento ou evolução de sua música desde que começaram?

Conhecemos as vozes uns dos outros muito bem, assim como nossas personalidades individuais e diferentes formas de interpretar a música. Tudo isso cria um repertório enorme de tons e cores que podemos usar com muita precisão, enquanto organizamos os vocais.

No primeiro álbum, tudo foi um tiro no escuro e no próximo par de álbuns mativemos uma certa dinâmica que parecia funcionar melhor para o som que tínhamos criados. Agora nós podemos lidar com todas as nossas ferramentas de uma forma um pouco mais livre e experiente. No entanto, certas coisas serão sempre as mesmas e é isso que nos faz Il Divo.

 Tenho arrepios por 45 minutos e isso me deixa muito orgulhoso.”

Você se lembra da primeira vez que subiu no palco? O que aconteceu?

A primeira vez que Il Divo se apresentou junto foi no salão de um hotel de campo fora de Londres. Foi um showcase para apresentar Il Divo para a música do Reino Unido e o mundo da mídia – a multidão mais difícil que você possa imaginar! Achei que fizemos muito bem e a resposta foi muito positiva. Quanto ao nosso primeiro grande show ao vivo, houve tantas centenas em todo o mundo que devo admitir que, infelizmente, não me lembro os detalhes.

 O que o apoio da comunidade gay significa para vocês?

Passei oito anos de estudo e de inicio de carreira em Amsterdã onde a homossexualidade é tão aceita que quase ninguém sente a necessidade de mencionar isso, o que eu acho uma coisa muito positiva. O que eu acho que é o jeito olho para a audiência. Se você é gay ou hetero, homem ou mulher, velho ou jovem, eu amo cantar para você. Você me dá a possibilidade de viver uma grande vida e fazer o que eu mais amo, cantando. Agradeço a todos que nos ouvem e que gostam de nossa música, do fundo do coração por me dar tal privilégio.

Certas coisas sempre permanecerão as mesmas e é isso que nos faz Il Divo.”

Então, qual de vocês recebe a maior atenção do sexo masculino!?

Você provavelmente sabe melhor do que eu. Eu acho que é como a atenção feminina. Todas tem seu favorito pessoal e, como nós quatro somos muito diferentes uns dos outros em muitos aspectos, acho que temos muito a oferecer!

 É a nossa rodada – o que você está bebendo?

Depende de onde estamos. Se estamos apenas sentados em um pub no final da tarde, então uma cerveja. Se estamos em um clube ou um bar, de preferência Champagne, um tônico com vodka ou uma Screwdriver ( drink de Vodka com suco de laranja em copo alto). Se estamos fora para um jantar agradável, então um vinho cai melhor para a comida que pedimos.

 O que é um prazer escutar no seu IPod?

Debbie Gibson – ‘Foolish Beat’.

 Qual é o melhor conselho que você já recebeu?

Sempre tento não machucar outras pessoas.

 Alguma coisa a acrescentar?

Gente – digam “não” a pirataria! Continuem ouvindo boa música e curtam Il Divo.

VEJAM O ARTIGO ORIGINAL (em inglês) AQUI

(NOTA:  A GaydarRadio é uma estação de rádio britânica, em formato digital, para gays, lésbicas e simpatizantes. O foco editorial é na personalidade, em vez de uma mistura de música estritamente formatada. Este estilo mais descontraído permite que seus apresentadores falem com seus ouvintes sobre a vida gay. Fonte: Wikipédia)

Read Full Post »